Notícias

Encontre uma notícia

até
- Assistência

I Simpósio Internacional de Transplante de Medula Óssea reúne 270 profissionais em Porto Alegre

Evento promovido por projeto do Hospital Moinhos de Vento em parceria com o Ministério da Saúde  busca qualificar profissionais de centros de transplante de todo o Brasil

Inteiramente coberto pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o transplante de medula óssea é um desafio para as instituições de saúde em função de seu alto custo e complexidade. Essa realidade, os avanços e os desafios na área estão sendo discutidos no Simpósio Internacional de TMO, nesta sexta (11) e sábado (12), no Plaza São Rafael, em Porto Alegre. O evento, promovido pelo projeto Mais TMO do Hospital Moinhos de Vento em parceria com o Ministério da Saúde por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (PROADI-SUS), reúne 270 profissionais de 56 centros transplantadores e centrais reguladoras de todo o Brasil.

A abertura do Simpósio foi na manhã desta sexta-feira (11). A Coordenadora do Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde, Daniela Salomão, iniciou os debates ressaltando a importância dos projetos em parceria com os hospitais de referência no Brasil para qualificar o atendimento na rede SUS. Segundo a representante do governo federal, o projeto Mais TMO é um exemplo disso.

“São estudos sócio-econômicos, de assistência, de registros clínicos, desenvolvimento de protocolos, curso de capacitação e produção científica que, se não fossem realizados com esses recursos, não aconteceriam”, afirmou Daniela. Ela explicou que esses projetos são muito importantes para o Ministério da Saúde para que se possa avaliar, por exemplo, reajuste de valores repassados aos hospitais que fazem os transplantes, contratação de pessoal e liberação de leitos. “Estamos conseguindo, junto com os hospitais de referência, o que o governo sozinho não faria: desenvolver os centros de transplantes, qualificar e ampliar o atendimento e cuidar melhor dos nossos pacientes”, concluiu.

O Superintendente de Educação, Pesquisa e Responsabilidade Social do Hospital Moinhos de Vento, Luciano Hammes, agradeceu a parceria do Ministério da Saúde. Em linha com a Coordenadora do Sistema Nacional de Transplantes, falou que a soma de esforços permite levar saúde de excelência a todos os brasileiros. “Em 10 anos, foram mais de 500 projetos e 4,6 bilhões de reais em investimentos. Recursos que não seriam investidos em Saúde desta forma. Com essa iniciativa, conseguimos transmitir um pouco da expertise do Hospital Moinhos de Vento e dos outros hospitais referência no Brasil para a rede SUS”, ressaltou.

Hammes ressaltou que o PROADI-SUS permite que “parte dos impostos seja revertida em qualificação das equipes, ampliação do atendimento e mais saúde para quem, muitas vezes, não teria acesso”. Ele citou, além do Mais TMO, os projetos de telemedicina, redução de infecções e estudos junto aos programas nacionais de vacinação.

Mais de 100 transplantes

A Superintendente Assistencial do Hospital Moinhos de Vento, Vânia Röhsig, falou sobre a história dos transplantes de medula óssea e os investimentos para oferecer estrutura adequada e a melhor experiência ao paciente. Há quatro anos, a instituição fez um grande investimento, incluindo a primeira unidade fechada fora do CTI. “Ao longo do tempo aprendemos e nos qualificamos. Hoje temos uma unidade onde os pacientes podem fazer fisioterapia, ter um espaço mais confortável, dentro de um ambiente controlado”, salientou.

A Coordenadora da Unidade de Internação Onco-Hematológica do Hospital, Claudia Caceres Astigarraga, falou sobre os 117 transplantes do tipo realizados na instituição. Desses casos, segundo ela, 27 foram pelo projeto Mais TMO. “É um tipo de procedimento que exige estruturas físicas adequadas e equipes multidisciplinares treinadas e especializadas. Com o projeto, estamos acompanhando pacientes, capacitando profissionais, qualificando manuais e protocolos. Isso também vai ajudar na definição de políticas e investimentos para qualificar o acesso desse transplante à população”, concluiu.

Para mais informações, acesse o link. 

 

Links relacionados

Downloads relacionados

COMPARTILHAR NOTÍCIA :
< VOLTAR PARA NOTÍCIAS
0