Saúde da Mulher

Crioterapia capilar possibilita preservar os cabelos durante a quimioterapia

Entre todos os sintomas da quimioterapia, a queda do cabelo é um dos mais incômodos. Ela mexe com a autoestima dos pacientes e também é mais um lembrete daquilo que se está passando. Entretanto, um novo procedimento pretende auxiliar e até evitar esse momento delicado: a crioterapia capilar pode preservar de 50% a 65% dos fios.

De acordo com a psicóloga do Hospital Moinhos de Vento, Karine Viana Maciel, a crioterapia vem para ajudar também no psicológico do paciente. “Pode-se dizer que, para mulheres, uma das maiores inseguranças quanto aos efeitos colaterais da quimioterapia está relacionada à perda de cabelos (alopecia). Ela afeta diretamente na aceitação de uma nova autoimagem e no enfrentamento e impacto do olhar do outro. A crioterapia capilar vem a ser uma possibilidade, dentro de um contexto de tantas mudanças, de auxiliar em algo que trata da imagem”.

O procedimento é realizado através do equipamento chamado Paxman Scalp Cooler, que realiza o resfriamento do couro cabeludo, possibilitando proteger os fios das medicações quimioterápicas. “O congelamento realiza uma redução dos vasos sanguíneos que chegam ao couro cabeludo. Dessa forma é possível diminuir a quantidade de quimioterápico que vai atingir os folículos pilosos, evitando a queda de cabelos”, explica Daniela Dornelles Rosa, oncologista do Serviço de Oncologia do Hospital Moinhos de Vento.

As medicações quimioterápicas têm como alvo as células de divisão rápida no organismo, sendo as do cabelo a segunda mais veloz. Ao se diminuir a temperatura da cabeça antes, durante e após a infusão do fármaco, o fluxo sanguíneo nos folículos fica mais baixo, o que resulta na diminuição da queda dos fios.

A crioterapia capilar ocorre em três momento: o pré-resfriamento inicia 30 minutos antes da infusão do medicamento quimioterápico; durante as sessões é trocada a crioterapia para manter a temperatura; e permanece na cabeça do paciente por até 90 minutos após o fármaco.

Para iniciar a crioterapia capilar não é necessário nenhum exame. Como efeito adverso, pode haver dor de cabeça durante seu uso e muitos pacientes também sentem frio, sendo recomendado o uso de roupas quentes e cobertores.

O procedimento inicia junto com as sessões de quimioterapia, podendo variar o tempo e o número, de acordo com o protocolo indicado para cada paciente. “Em geral, as sessões são realizadas a cada 21 dias, por um período de aproximadamente 3 a 6 meses”, destaca Fabiane Kumagai, dermatologista do Hospital Moinhos de Vento.

Eficácia da crioterapia

A equipe de dermatologia do Hospital Moinhos de Vento pretende realizar um estudo para avaliar a eficácia da crioterapia. Essa pesquisa vai acompanhar alguns pacientes do Hospital antes, durante e após a processo através de análises especificas de cada caso. “Já existem estudos sobre o equipamento, mas a pesquisa que estamos propondo visa quantificar melhor esta perda de cabelos, para avaliarmos mais objetivamente os resultados e, quem sabe, no futuro, utilizarmos protocolos de crioterapia específico para cada quimioterápico”, adianta Dra. Fabiane.

Por enquanto, a crioterapia é contraindicada para pacientes com cânceres hematológicos (leucemias e linfomas), crioglobulinemia, metástase manifestada no couro cabeludo, ablação da medula óssea por quimioterapia e radioterapia no crânio.

Cuidados com o cabelo
A crioterapia capilar precisa atuar em conjunto com alguns cuidados por parte do paciente. Na sequência, algumas dicas que podem auxiliar durante o procedimento:

  • Utilizar pentes largos ou uma escova macia, como as indicadas para bebês
  • Mantenha os cabelos soltos. Se for prender, utilize laços de fita ou prendedores macios
  • Não é recomendado fazer trança ou permanente no cabelo
  • Não é indicado o uso de secadores de cabelo, pranchas, bobes aquecidos e outros aparelhos que submetam o cabelo ao calor excessivo
  • Durma com travesseiro com fronha de seda ou cetim, evita que sejam criados nós
  • Utilize shampoos e condicionadores com pH balanceado (de 4,5 a 5,5), de preferência transparentes ou translúcidos
  • Lave o cabelo sempre com água morna para fria
  • Se possível, tente lavar o cabelo, no máximo, duas vezes por semana
  • Deixe que o cabelo seque naturalmente ou passe a toalha acariciando-o com cuidado. Se optar por um secador, utilize-o apenas na temperatura fria
  • Durante o tratamento de quimioterapia com resfriamento do couro cabeludo, é recomendado que você lave seu cabelo entre 24 e 48 horas antes do tratamento. O mesmo período precisa ser respeitado após a sessão

 

Fontes: Daniela Dornelles Rosa (CRM: 23791), oncologista; as enfermeiras Taiana Saraiva e Poliana Rodrigues da Silva; Fabiane Kumagai Lorenzini (CRM: 31551), dermatologista; Ana Paula Caramori (CRM: 28339), dermatologista; e Karine Viana Maciel, psicologa.

Todas as especialistas atuam no Serviço de Oncologia do Hospital Moinhos de Vento.