Doenças

Estilo de Vida

“Câncer de Mama não tem idade”, destaca Jessica Tuane

Jessica Tuane de Oliveira Parra, de 24 anos, personagem da Campanha do Outubro Rosa do Hospital Moinhos de Vento, mostrou que a doença pode atingir qualquer idade. Aos 23 anos ela foi diagnosticada com câncer de mama. Devido ao exame precoce conseguiu realizar o tratamento corretamente e hoje está curada. Jessica teve coragem e acreditou que conquistaria a vitória nessa luta. Confira a entrevista na integra para o blog Saúde & Você.

Blog: Quando que tu descobriste que tinha Câncer de mama?

Jessica: Em junho do ano passado eu troquei de ginecologista e ela me pediu uma bateria de exames, entre eles uma ecografia mamária, que mostrou dois nódulos prováveis benignos. Fiquei preocupada porque eu tenho histórico na família de mulheres que perdemos devido à doença. Então fiquei mais atenta. Alguns meses depois esse nódulo começou a crescer. Em um primeiro momento achei que poderia ser psicológico. Em novembro, mostrei para a minha mãe e procuramos uma especialista que nos indicou fazer a biopsia. Então, fui diagnosticada com nódulos malignos e já estavam no terceiro estágio (agressivo). Então entendi que “se eu não tivesse procurado naquele momento eu não estaria mais aqui”.

 

Quando recebi a notícia, não entendi a dimensão, meus pais ficaram mais debilitados do que eu. 

 

Blog: Depois de receber o diagnóstico, qual foi a tua reação?

Jessica: Quando recebi a notícia, não entendi a dimensão, meus pais ficaram mais debilitados do que eu. Pode parecer bobo, mas a primeira coisa que perguntei foi se meu cabelo iria cair. Mas a doutora falou que é extremamente normal a mulher se preocupar com a estética. Depois que perdi meu cabelo que eu entendi que estava com câncer. Neste momento eu pensei: “tenho que focar! Comer bem! Tenho que melhorar a minha vida para poder ficar bem! Não adiantava só os médicos fazerem a parte deles e eu não estar com o psicológico e o físico bons. Ao meu ver, 40% do meu tratamento foi o meu psicológico. Eu acreditei que iria dar certo!

 

Blog: Mesmo tão jovem, o que te levou a ter tamanho controle da situação?

Jessica: Os meus familiares. Eu vi minha irmã desesperada, minha família naquela agonia, pensando “a Jessica pode morrer”. Aquilo me deixou muito mal e não gostava de ver as pessoas olhando para mim com aquela cara triste. Eu percebi que se ficasse bem iria estar fazendo um bem para eles também. Foi daí que eu tirei forças.

 

Eu percebi que se ficasse bem iria estar fazendo um bem para eles também. Foi daí que eu tirei forças.

 

 

Blog: Como foi lidar com as questões estéticas como a falta de cabelo e retirada das mamas?

Jessica: Meu melhor acessório em relação ao cabelo era a peruca, até hoje uso. Não gostava da forma como as pessoas me olhavam na rua quando eu saia careca, me incomodava.
Em relação a mama, depois da quimioterapia eu iria retirar a auréola do seio e isso me chocou muito. A minha cirurgia de mastectomia foi dia 12 de junho. O tamanho tu podes utilizar sutiãs de enchimento e acessórios de silicones, não era um problema. Mas, depois da cirurgia, a minha surpresa foi quando a médica me disse que não tinham sido retiradas as auréolas, já estava até me programando para fazer uma tatuagem. Gostei do resultado. Duas semanas após o procedimento cirúrgico, realizou 5 sessões de preenchimento de soro na mama através de expansores. Na última segunda-feira (23) eu coloquei as próteses, que vou ter que trocar de 12 em 12 anos. Às vezes brinco que está até melhor que antes.

 

…mas agora vivo muito o hoje, procuro ajudar quem posso hoje e faço hoje aquilo que posso e não deixo para amanhã. Essa virou minha frase.

 

Blog: Quais são os teus sonhos e planos para o futuro?

Jessica: A antiga Jessica planejava muito, vou terminar minha faculdade, casar e ter meus filhos. Hoje, eu penso diferente, tenho meus planos, mas agora vivo muito o hoje, procuro ajudar quem posso hoje e faço hoje aquilo que posso e não deixo para amanhã. Essa virou minha frase.

 

Blog: O que tu dirias para as pessoas que receberam o diagnóstico do câncer de mama?

Jessica: Força! Acredite que vai dar certo! Tenha fé! É importante ter os familiares do lado também, desde que eu fiquei doente não fiquei sozinha um minuto. Não estar sozinho e ter fé de que tudo vai dar certo é importante! Em nenhum momento passou pelo minha cabeça que viria a óbito, mas vejo muita gente que pensa nisso.
Eu gostaria de destacar também uma coisa que é meu propósito: câncer de mama não tem idade, eu aprendi isso, e por isso enfatizo que é necessário se cuidar, as mulheres precisam saber se tocar e, se sentir qualquer coisa diferente, ir ao médico. Não é procurar o problema é uma questão de prevenção.

Jessica foi uma das pessoas convidadas pela equipe do Hospital Moinhos de Vento para participar do vídeo do Outubro Rosa. Assista através do link.

Serviço de Mastologia do Hospital Moinhos de Vento